24/01/2010

Primeiros Socorros à Vítima de Choque Elétrico



Primeiros Socorros à Vítima de Choque Elétrico

As chances de salvamento da vítima de choque elétrico diminuem com o passar de alguns minutos, pesquisas realizadas apresentam as chances de salvamento em função do número de minutos decorridos do choque aparentemente mortal, pela análise da tabela abaixo esperar a chegada da assistência médica para socorrer a vítima é o mesmo que assumir a sua morte, então não se deve esperar o caminho é a aplicação de técnicas de primeiros socorros por pessoa que esteja nas proximidades.O ser humano que esteja com parada respiratório e cardíaca passa a ter morte cerebral dentro de 4 minutos, por isso é necessário que o profissional que trabalha com eletricidade deve estar apto a prestar os primeiros socorros a acidentados, especialmente através de técnicas de reanimação cádio-respiratória.

Tempo após o choque p/ iniciar respiração artificial
reanimação da vítima

1 minuto 95 %
2 minutos 90 %
3 minutos 75 %
4 minutos 50 %
5 minutos 25 %
6 minutos 1 %
8 minutos 0,5 %


Fonte:http://dalcantara.vilabol.uol.com.br/index5.html





23/01/2010

VANTAGENS DA ENERGIA SOLAR



A energia irradiada pelo sol é a fonte de quase toda energia disponível ao homem, seja como energia vital ou força motriz e de transformação na execução de tarefas cotidianas. No nosso ecossistema, através de diversos ciclos naturais, a radiação solar é convertida em diversos outros tipos de energia. Mas, corriqueiramente, o termo "Energia Solar" só é utilizado para expressar as formas de aproveitamento da radiação solar direta. As formas de aproveitamento indireto, que se valem do aproveitamento de energia produzida em sistemas, processos ou fenômenos que têm a radiação solar como fonte primária, geralmente são referidas de forma específica

Eólica - energia cinética das massas de ar provocadas pelo aquecimento desigual na superfície do planeta. Além da radiação solar também têm participação na sua formação fenômenos geofísicos como: rotação da terra, marés atmosféricas e outros. Os cata-ventos e embarcações a vela são formas bastante antigas de aproveitamento. Os aerogeradores modernos de tecnologia recente têm se firmado como uma forte alternativa na composição da matriz energética de diversos países.

Biomassa - a energia química, produzida pelas plantas na forma de hidrocarbonetos através da fotossíntese - processo que utiliza a radiação solar como fonte energética - é distribuída e armazenada nos corpos dos seres vivos graças a grande cadeia alimentar, onde a base primária são os vegetais. Plantas, animais e seus derivados são biomassa. Sua utilização como combustível pode ser feita das suas formas primárias ou derivados: madeira bruta, resíduos florestais, excrementos animais, carvão vegetal, álcool, óleos animal ou vegetal, gaseificação de madeira, biogás etc.

Hidroenergia - energia cinética das massas de água dos rios, que fluem de altitudes elevadas para os mares e oceanos graças a força gravitacional. Este fluxo é alimentado em ciclo reverso graças a evaporação da água, elevação e transporte do vapor em forma de nuvens, naturalmente realizados pela radiação solar e pelos ventos. A fase se completa com a precipitação das chuvas nos locais de maior altitude. Sua utilização é bastante antiga e uma das formas mais primitiva é o monjolo e a roda dágua. A hidroenergia também pode ser vista como forma de energia potencial; volume de água armazenada nas barragens rio acima. As grandes hidrelétricas se valem das barragens para compensar as variações sazonais do fluxo dos rios e, através do controle por comportas, permitir modulação da potência instantânea gerada nas turbinas.

FORMAS DE APROVEITAMENTO DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA

A energia solar ainda não têm seu uso muito difundido. Além da concorrência do petróleo, os maiores empecilhos para seu emprego passam por: investimento inicial elevado, produção dependente das condições climáticas e necessidade de apoio de outra fonte de energia em situações de baixa produção. O interesse pela energia solar como um todo varia sempre com situações de ordem econômicas e contextos da produção energética, se sobressaindo em momentos de crises. Mas, algumas aplicações entretanto, têm se mantido mesmo em tempos de estabilidade.
A radiação solar direta, pode ser aproveitada de diversas formas ainda que a aplicação final seja a mesma. Para efeitos de apresentação pode-se dividir o aproveitamento da energia solar conforme sua aplicação:

· Aplicações térmicas em geral

· Obtenção de força motriz diversa

· Obtenção de eletricidade

· Obtenção de energia química

APLICAÇÕES TÉRMICAS

Aplicações térmicas são aquelas onde a forma de energia necessária ao processo final é o calor. A conversão térmica da radiação solar é a que apresenta maior rendimento, além de ser a mais direta, simples e barata. Nela a radiação solar é transformada em calor pelo efeito térmico da absorção de superfícies escuras ou seletivas.

Em aplicações de baixa temperatura, até 150º C, geralmente são utilizados coletores planos ou caixas de efeito estufa sem concentradores. Para aplicações que exijam temperaturas de trabalho mais elevadas, acima de 150º C, o uso de concentradores é imperativo. Os concentradores são dispositivos focais tais como lentes, refletores cônicos, cilíndricos, parabólicos ou conjuntos de espelhos que, através da concentração dos raios solares num foco definido, permitem a obtenção de temperaturas da ordem de até 3.000º C. Nessa configuração, devido a seletividade do ângulo de incidência imposta pelos concentradores, apenas a radiação direta é aproveitada, sendo bastante sensível ao alinhamento com a posição do sol, exigindo a adoção de mecanismo de seguimento. Céu nublado ou ensombramentos também são fatores de acentuada redução no seu rendimento, limitando seu uso a locais de bom índice de insolação e condições climáticas.

Já nos sistemas de coletores planos e caixas de efeito estufa todos os tipos de radiação incidentes - direta, difusa e refletida - são aproveitados. A produção para estas configurações, varia quase que proporcionalmente ao índice de radiação total, garantindo uma operação satisfatória mesmo em dias nublados e de baixa insolação e tornando seu uso bem mais abrangente. Também dispensam dispositivos de segmento do sol, bastando para sua operação, uma correta orientação geográfica e valores de ângulo de inclinação em relação ao plano horizontal compatíveis com a latitude.

Aplicações Térmicas mais Difundidas

Aquecimento dágua - O aquecimento dágua tem ampla utilização na vida moderna seja para banho, piscinas, higienização de roupas e alimentos, processos industrias ou outros. Os aquecedores dágua solares apresentam diversos atrativos como: vida útil longa, simplicidade, baixa manutenção, rápido retorno do investimento e maior segurança em relação a outros sistemas. Seu uso representa grande economia no consumo elétrico ou de combustíveis. Devido aos valores moderados de temperatura de saída exigidos, tais sistemas funcionam com coletores planos, o que caracteriza simplicidade construtiva e aplicabilidade nas mais variadas regiões. A configuração destes sistemas é semelhante aos demais sistemas centralizados com acumulação, onde um reservatório térmico (boiler) armazena a água aquecida, garantindo água quente nos períodos sem radiação. Para períodos longos de chuva ou nublados, oferecem , suporte elétrico afim de garantir um conforto contínuo. A indústria brasileira já produz sistemas de excelente qualidade e vem crescendo a passos largos. Concessionárias de energia elétrica têm apostado no incentivo à utilização de aquecedores dágua solares como forma de aliviar os problemas causados pelo uso do chuveiro elétrico: o incremento no pico de demanda.

Destiladores - Os destiladores solares por efeito térmico são propostos principalmente para obtenção de água potável a partir de água com alto teor salino. Os modelos básicos se valem de efeito estufa para evaporação da água e sua simplicidade permite uma construção artesanal sem muito refinamento. Conforme o Boletim L.E.S., a UFPB, na década de 70, fez vários trabalhos de pesquisa com destiladores solares mostrando sua validade para abastecimento de pequenas comunidades no semi-árido, ou em unidades domésticas. Apesar de reconhecer que o seu custo comparada a outras formas de obtenção de água destilada era superior, o boletim do L.E.S. mostra que poderiam ser obtidos preços bem mais baixos com o desenvolvimento de materiais que substituíssem o vidro. Infelizmente, pelo que sabemos, não houve tal progresso e a disseminação dos destiladores não ocorreu. Atualmente, os programas governamentais para dotação de água potável em comunidades rurais têm adotado os dessalinizadores de osmose reversa alimentados por energia fotovoltaica e, os destiladores solares por efeito térmico parecem ter perdido ainda mais o pouco da atenção que lhe era dispensada.

Secagem de frutas e grãos - A secagem de produtos agrícolas tem uma grande aplicabilidade, sendo processo obrigatório para vários tipos de colheita tais como café, chás, tabacos etc. e também como forma de garantir a conservação de alimentos. Os processo mais utilizado ainda é a secagem ao ar-livre que também se vale da radiação solar, mas de maneira primitiva e carregada de problemas pela exposição dos produtos a poeira, chuva, ataques de insetos, roedores etc. Os secadores solares podem representar grande melhoria na qualidade destes produtos, principalmente em relação a higiene. A aplicação se estende também a desidratação de frutas, carnes e peixes. O Brasil é apontado como um dos países que mais desenvolveu a tecnologia dos secadores solares. Dentre os modelos desenvolvidos encontra-se dois grandes grupos o de exposição direta e indireta. Nos de exposição direta os alimentos ficam expostos numa caixa de efeito estufa com fundo preto.

Para alimentos que não devem ser expostos diretamente a radiação solar, foram desenvolvidos os modelos de exposição indireta onde coletores planos aquecem o ar que circula em circuito aberto através da caixa onde os alimentos são inseridos. A circulação de ar tanto pode ser forçada como natural, no entanto quando for necessário utilizar controle de umidade e temperatura o uso da circulação forçada é imperativo.
Alguns pesquisadores destacam que o apoio de outra fonte para cobrir períodos longos de chuva, como imprescindível, afirmando que a construção de secadores 100% solares foi causa de descrédito em vários programas de disseminação de secadores solares devido a perda de produtos em tais períodos. Certamente o apoio de outra fonte não seria fator muito onerante, já que como país tropical seu uso seria muito pouco requerido.

Cozinha - Uma aplicação térmica das mais simples é o fogão solar. Os modelos conhecidos utilizam concentradores e ou efeito estufa. Apesar de muito simples, os fogões solares enfrentam restrições de uso, que só pode ser feito durante o dia, em períodos de céu limpo e em locais de boa insolação. A necessidade de manuseio ao ar livre é um inconveniente.
Na década de 70, pesquisadores da UFPB chegaram a desenvolver alguns modelos. A economia de lenha no cerrado era um apelo bastante pertinente, mas que não conseguiu sensibilizar o poder público e os modelos desenvolvidos infelizmente não perderam a condição de protótipos.
Recentemente um projeto social adotou fogões solares no semi-árido nordestino como umas das linhas de trabalho. Trata-se da fábrica comunitária de fogões solares de Uiraúna-PB. Fruto de um intercâmbio entre a Paróquia local e Jovens Católicos da Alemanha, o empreendimento tem produzido um modelo de fogão solar tipo concentrador, que tem mostrado alguma aceitação. Também, o prof. Arnaldo Moura Bezerra, ex-pesquisador da UFPB, através de um trabalho independente continua desenvolvendo em João Pessoa melhorias em modelos concebidos por ele.

Calefação - Em algumas regiões, principalmente as sub-tropicais, o aquecimento do ambiente é sempre desejável. Existem vários tipos de arranjos e dispositivos para o aproveitamento da radiação solar em aquecimento ambiente de residências. O maior problema citado é que os períodos de maior demanda não podem ser atendidos devido a baixa radiação disponível.

Refrigeração por ciclo de absorção e adsorção - Tanto a refrigeração por absorção como por adsorção, já são conhecidas a bastante tempo e em ambas a principal característica é a utilização de fonte de calor para seu funcionamento. A por ciclo de absorção tem sido muito cogitado ultimamente, principalmente em aplicações de co-geração para fornecimento integrado de energia e refrigeração em industrias e shopping centers.
O LES-UFPB construiu um refrigerador por adsorção, usando carvão ativado como adsorvente e metanol como refrigerante, capaz de produzir até dez quilos de gelo por dia. Há citações que afirmam que dentro de dez anos teremos a refrigeração ambiente solar competitiva a nível comercial. Um grande atrativo é que as variações da disponibilidade da energia solar, em geral, acompanham as de necessidade de refrigeração.

A OBTENÇÃO DE FORÇA MOTRIZ DIVERSA

Para se obter energia mecânica para tarefas específicas como bombeamento dágua, irrigação, moagem de grãos etc. As duas formas de obtenção mais comuns são: obtenção de eletricidade por painéis fotovoltaicos e posterior alimentação de um motor elétrico ou, através da conversão térmica e alimentação de um motor de ciclo térmico.

Na década de setenta, a SOFRETES, Francesa, chegou a desenvolver e comercializar vários sistemas para bombeamento de água com ciclo solar térmico. Uma dessas bombas foi instalada no LES/UFPB, em João Pessoa, em 1975. (2)

Na década de setenta, o Professor Nicanor de Azevedo Maia, desenvolveu no Rio Grande do Norte um motor térmico solar de ciclo inédito. Seu trabalho foi publicado em algumas revistas, mas não conseguiu apoio para continuar o empreendimento. Atualmente, os sistemas fotovoltaicos têm se firmado como melhor opção, inclusive, em alguns casos, concorrendo com vantagens com fontes convencionais.:

FONTE:AONDE VAMOS">






CHOQUE ELÉTRICO


O choque elétrico é a reação do organismo à passagem da corrente elétrica. Eletricidade, por sua vez é o fluxo de elétrons de um átomo, através de um condutor, que vem a ser qualquer material que deixe a corrente elétrica passar facilmente (cobre, alumínio, água, etc.). Por outro lado, isolante é o material que não permite que a eletricidade passe através dele: vidro, plástico, borracha, etc.

Os riscos de acidentes dos empregados que trabalham com eletricidade, em qualquer das etapas de geração, transmissão, distribuição e consumo de energia elétrica, constam da Norma Regulamentadora Instalações e Serviços em Eletricidade - NR10 do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. Noções de PRIMEIROS SOCORROS a acidentados pela corrente elétrica, também constam desta página.

clique aqui para entender melhor o conceito de eletricidade, bem como sua geração e consumo .


Pode-se dizer que o progresso, no campo, está sempre associado à energia elétrica, que pode ser usada na casa (lâmpadas, geladeira, TV, chuveiro, etc.), no galpão (ordenhadeira mecânica, incubadora, picadeira, etc.), na conservação e transformação de alimentos (resfriadora de leite, estufa, freezer, etc.), no acionamento de máquinas e motores (para bombear água, na irrigação por aspersão, etc.) e em várias outras aplicações.

Fonte:http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/eletric.htm ">




22/01/2010

Redes inteligentes no Brasil

Redes inteligentes no Brasil

A empresa americana especializada em tecnologia smart grid Silver Spring Networks pretende começar a operar no Brasil nos próximos três anos, contou o seu vice-presidente de Desenvolvimento de Novos Negócios, John O'Farrell, ao EnergiaHoje. A empresa atualmente disputa contratos de projetos pilotos com concessionárias brasileiras. Ainda no primeiro semestre a empresa deve assinar com a Axxiom, subsdiária da Cemig, dois contratos de valor não relevado para implantação da tecnologia, revela o diretor Comercial da Axxiom, Miguel Sarmento.

A Silver Spring ainda não decidiu onde será instalada sua filial no Brasil. A empresa vai decidir entre São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Funcionários brasileiros já estão sendo contratados no Estados Unidos.

No início deste ano, a empresa anunciou a captação de US$ 100 milhões para investimentos em novas aplicações da tecnologia smart grid em diversos países, entre eles o Brasil. O negócio foi conduzido, na segunda quinzena de dezembro, por investidores institucionais, incluindo os atuais investidores Google Ventures, Foundation Capital, Kleiner Perkins Caulfield & Byers e Northgate Capital. “Estamos otimistas com o potencial do mercado brasileiro. O país tem boas condições para a tecnologia e possui algumas das maiores concessionárias (de energia) do mundo”, comenta O´ Farrell.

As redes inteligentes diminuem o risco de apagões e podem economizar mais de US$ 100 bilhões por ano de seus consumidores industriais e residenciais, defende o executivo. Os novos medidores digitais – parte da tecnologia de smart grid – são capazes, quando há um problema na rede, de enviar às concessionárias o 'último suspiro' do sistema de transmissão e detectar a localização exata do problema.

Um dos alvos da nova tecnologia são as perdas não técnicas de energia (furto). “Os medidores inteligentes oferecem sistemas de comunicação sofisticados baseados em padrões abertos de Protocolo de Internet (IP) que permitem acesso contínuo em duas vias entre a concessionária e todo e qualquer dispositivo ligado à rede”, explica John O´Farrell.

O controle do consumo também é outro atrativo. A tencologia permite, por exemplo, que as concessionárias possam, de forma remota, conectar ou desconectar os serviços da casa de um consumidor, enviar informações tarifárias para que os consumidores possam compreender quanto custa a sua energia em tempo real e administrar a integração de fontes de energia renovável intermitentes, como energia solar ou eólicas.

As falhas também são identificadas mais rapidamente. Como em uma rede de dados, é possível definir a rota por onde vai passar a energia, evitando trechos com problemas e garantindo o fornecimento. A tecnologia de rede inteligente economiza de 5% a 15% do consumo de energia.

Criada em 2002 e sediada em Redwood City, California, a Silver Spring Networks possui mais de 200 funcionários e atua globalmente por parcerias na Austrália, Reino Unido e Brasil.

FONTE: Energia hoje

IMPACTO DE USINA É IMPREVISÍVEL

Impacto de usina é imprevisível


Setenta e seis novas usinas hidrelétricas das Centrais Elétricas do Nortedo Brasil S.A.(Eletronorte)vão inundar na Amazônia perto de 80 mil quilômetros quadrados de florestas ,área equivalente ao Estado de Santa Catarina .
A experiência de outras hidrelétricas já contruidas na região -Tucurui e Bahlbina- demostrou a incapacidade da Eletronorteem tratar das questõas de meio ambiente .Abarrangem de Tucurui foi fechada para a formação do lago antes da retirada de uma floresta e, com isso ,opais perdeu milhões de dólares em madeiras nobres.,alem de terem sido arrasados .6.500quilômetros quadrados de riquezas naturais .Um lago e rio também foram seriamente poluídos pelas floresta apodrecidadas.
Desastres, como esse obrigaram os bamcos internacionais a suspender os financiamentos do setor energético ,devido a pressões de embientalistas mundiais(...)
Fonte:(Jornal O Estado de S.Paulo,25/10/88)

13/01/2010

COMO CALCULAR AMPERAGEM E OHMS

Ferramentas - Submarino.com.br





Eletricidade Básica

Livros:instalações elétricas

Livro muito didático e extremamente completo sobre a teoria e as aplicações da Eletricidade Básica. Cada capítulo inicia com definições pertinentes, princípios, teoremas e equações, com inúmeros exemplos e problemas resolvidos para reforçar o aprendizado. Em seguida, propõe uma série de problemas e apresenta as respostas. Seu conteúdo é a base para profissionais das áreas de Eletroeletrônica e afins.

12/01/2010

Panorama energético atual e perspectivas futuras

Energia

Panorama energético atual e perspectivas futuras

A demanda projetada de energia no mundo aumentará 1,7% ao ano, de 2000 a 2030, quando alcançará 15,3 bilhões de toneladas equivalentes de petróleo (TEP, ou toe, na sigla internacional, em inglês) por ano, de acordo com o cenário base traçado pelo Instituto Internacional de Economia (Mussa, 2003). Em condições ceteris paribus, sem alteração da matriz energética mundial, os combustíveis fósseis responderiam por 90% do aumento projetado na demanda mundial, até 2030.

Entretanto, o esgotamento progressivo das reservas mundiais de petróleo é uma realidade cada vez menos contestada. A Bristish Petroleum, em seu estudo “Revisão Estatística de Energia Mundial de 2004”, afirma que atualmente as reservas mundiais de petróleo durariam em torno de 41 anos, as de gás natural, 67 anos, e as reservas brasileiras de petróleo, 18 anos.

A matriz energética mundial tem participação total de 80% de fontes de carbono fóssil, sendo 36% de petróleo, 23% de carvão e 21% de gás natural (Tabela 1). O Brasil se destaca entre as economias industrializadas pela elevada participação das fontes renováveis em sua matriz energética. Isso se explica por alguns privilégios da natureza, como uma bacia hidrográfica contando com vários rios de planalto, fundamental a produção de eletricidade (14%), e o fato de ser o maior país tropical do mundo, um diferencial positivo para a produção de energia de biomassa (23%).



http://www.biodieselbr.com/energia/agro-energia.htm

08/01/2010

SIMULADOR DE CONSUMO

SIMULADOR DE CONSUMO


As tabelas estão divididas por categoria de utilização, permitindo trabalhar com minutos ou horas, visando proporcionar uma forma intuitiva de navegação.
As potências utilizadas são as mais comuns, e os campos com os valores podem ser alterados de acordo com a potência especificada no manual do fabricante ou na placa de identificação dos equipamentos.
Para os equipamentos de uso contínuo, como freezer e geladeira, estamos considerando 24 horas de utilização.


O resultado apresentado é apenas uma estimativa, podendo haver diferença em relação ao seu consumo real, devido às características específicas de cada equipamento.

FONTE:LIGHT SIMULADOR DE CONSUMO






Eletroportáteis - Submarino.com.br

ENERGIA SEM APAGÕES

O Plano de Racionamento: cotas, sobretaxa e bônus

O governo optou pelo racionamento de energia sem apagões e menos doloroso de imediato. Inicialmente, colocou consumidores residenciais e industriais na mira de punições drásticas, como sobretaxas de até 200% na conta de luz e cortes de fornecimento de até seis dias seguidos, mas no primeiro dia do racionamento anunciou mudanças e cortou as sobretaxas para as residências que conseguirem atingir a meta de 20% de economia no consumo, mesmo que o consumo seja superior a 200 kWh por mês.

A partir da primeira leitura de dezembro de 2001, os consumidores residenciais e comerciais têm novas metas de economia. Na região Norte, a meta foi reduzida para 5%. Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, a meta é de 12%, e no Nordeste, de 17%. O governo fez também uma concessão para as cidades turísticas, que ganharam um bônus. No NE, precisarão economizar 12%. No SE e CO, apenas 7%.

O plano administrado pela Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica, joga todas as suas fichas na cooperação da sociedade, mas não afasta o risco de apagões no futuro.

O racionamento, em vigor na regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, estabelece cotas de consumo, com penalidades para quem desrespeitar os limites e bônus para quem conseguir economizar. As cotas foram estabelecidas com base no consumo médio registrado nos meses de maio, junho e julho de 2000. Veja as principais medidas do plano

Começando em 4 de junho, o programa já sofreu inúmeras modificações. A partir de dezembro, os consumidores residenciais e comerciais não sofrem risco de corte quando o consumo foi igual ou inferior a 225kWh/mês, mesmo que ultrapassem a meta.

Impacto Fiscal - Os economistas do governo descartaram um impacto imediato do plano de racionamento nas contas públicas, mas admitiram que isso terá de ser reavaliado. O governo admitiu, no entanto, que o plano elevará em 0,15 ponto percentual a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), levando em consideração apenas o impacto da sobretaxa sobre os consumidores residenciais.



FONTE :www.terra.com.br/noticias/energia/plano/geral.htm

03/01/2010

Lâmpada de dicróica

ILUMINAÇÃO



• Não utilize as lâmpadas fluorescentes compactas e circulares com minuteria porque o acende e apaga vai fazer com que sua vida útil seja prejudicada.
• Para obter melhor distribuição de luz, prefira empregar as lâmpadas fluorescentes compactas em luminárias desenhadas especialmente para elas e que aproveitem melhor sua geometria.





Fonte:www.cate.cepel.br/setatuac/residenc/dicas_res.htm ">




02/01/2010

Choque elétrico

Os riscos que você corre

De acordo com a ABRACOPEL (Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade) em uma pesquisa realizada em 2006, de 250 respondentes, 86% afirmaram já haver levado um choque. As principais causas do choque são eletrodomésticos (23%), chuveiro elétrico (22%) e a troca de lâmpadas e tomadas (20%).

Além destes números, a associação também divulga outras causas de choque como: inserir objetos metálicos na tomada e empinando pipa. Com estes dados é possível observar a displicência das pessoas com a eletricidade e por isso ela é uma das maiores causas de acidentes domésticos. O que causa a descarga de energia elétrica pode ser observado com mais propriedade no artigo “O que é aterramento” e no vídeo a seguir:






Fonte:baixaki
Energia solar
Aqui mostra uma maneira de aquece água usando a energia solar feito com garrafas pet ,além de ter água aquecida estar reciclando garrafas pet.





01/01/2010

CURIOSIDADE DA ELETRICIDADE



ELETRICIDADE - 3 Entre o Mais e o Menos



ELETRICIDADE - 4 Os Três Mosqueteiros





ELETRICIDADE - 5 Corrente Alternada






ELETRICIDADE - 7 Os Três Empregos da Eletricidade